Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Desafiado para escrever umas notas sobre o que penso e o que vivi como matosinhense, acerca da atividade pesqueira e o modo com teve e tem uma importância fundamental para as gentes de Matosinhos, resolvi então fazer um histórico das minhas impressões pessoais e aqui as deixo á consideração de quem as ler…

matosinhos conservas 1.jpg

 

Nos anos 50 e 60, a indústria pesqueira em Matosinhos estava no seu auge, com fábricas conserveiras por todo o lado, laborando em pleno, com muita mão-de-obra essencialmente feminina, e no mar as embarcações na sua labuta diária iam e vinham, fornecendo a matéria-prima para que as conservas fizessem jus á sua qualidade bem demandada tanto no território nacional, como por muitos países de diferentes continentes. Além das fábricas de conservas, havia também em Matosinhos na avenida Meneres a célebre “Fábrica da Tripa”, que tratava dos resíduos que derivavam em farinhas e produtos industriais. Conforma a célebre máxima de Lavoisier, “Na Natureza nada se perde, tudo se transforma”, mas que tinha inconvenientes ambientais muito sérios para toda a cidade, com o seu “odor”, inconfundível, que nos fazia andar de lenço perto da boca.

matosinhos conservas 2.jpg

 

Desativada nos anos 80, numa fase final de quase desaparecimento de todos os edifícios que a esta indústria se dedicavam, Matosinhos mudou o seu “ambiente” para melhor, mas com muitos sacrifícios para quem fazia destas atividades industriais o seu ganha-pão. Nos dias de hoje só dois ou três sobreviventes fazem pela vida.

matosinhos conservas 1.png

 

Mas o que eu quero realçar nestas minhas palavras foi o que eu vivi e vi de perto, no contexto das pescas e das pessoas que faziam desta sua labuta pesqueira. A começar pelas fábricas plantadas na agora denominada zona Sul de Matosinhos e o modo como nesses tempos convivíamos, eu e os meus companheiros de infância, quando desafiávamos as conserveiras para trocas amigáveis de piropos, e que neste vai e vem, dariam se gravadas, temas aliciantes para uns bons filmes. De língua afiada e pronta, as respostas aos nossos desafios e provocações, exigiam que eu e os meus companheiros tivéssemos arranques rápidos em retiradas estratégicas, perante o "carinho" das mulheres que nos destinavam, numa linguagem “nobre” e bem portuguesa, e para nós era um gozo de grandes e saborosas brincadeiras que nos proporcionaram…

imagesZUCMU65L conserveiras 2.jpg

 

Outra faceta que gostava especialmente era assistir á chegada das traineiras aos cais na descarga dos cabazes, na altura ainda sem os requisitos de modernidade, vendo os carraegadores com as varas e cabazes aos ombros a serem retirados para terra e para a Lota num trabalho muito difícil e que deveria ser cansativo para os seus trabalhadores…E nós quase por brincadeira lá íamos tirando uma sardinha aqui outra a li, para levarmos como trofeus, para casa ou para dar a alguém, depois de “fintarmos" na portaria os agentes da Policia Marítima que controlavam as entradas e saídas, nunca falhando nas nossas aventuras!

traineiras 1.png

 

Mais tarde já adulto tive a coincidência de casar com uma filha de um mestre de traineira "Mar dos Sonhos" de seu nome, o que me possibilitou viver agora a sério, com o seu dia-a-dia e aí sim, medir bem da dureza de uma profissão não muito desejada por muitos, apenas vivida por todos aqueles que por tradição e laços familiares, lá iam fazendo parte dessas tripulações na pescaria das sardinhas e outros peixes que às redes demandavam. Inclusive fui uma noite a meu pedido, partilhar ao vivo o que era uma jornada na pesca da sardinha com o meu sogro no comando e a explicar-me passo a passo o que se desenrolava até ao lanço das redes após a localização do cardume mais adequado. Também me assistiu mal deixamos o porto de Leixões para trás, no meu enjoo fatal, e que durou até eu não ter mais nada para vomitar, a não ser as minhas revoltas tripas, ou seja até às duas da manhã e ai sim recuperando a pouco e pouco como um verdadeiro lobo-do-mar, pude assistir em direto a toda a faina. Na volta pela manhazinha, acho que por tão desperto e operacional que estava, poderia começar a ir ao mar todos os dias que não enjoava mais.

imagesZLZXD8HY sardinha viva.jpg

 

Hoje nos nossos dias e apos a integração de Portugal a CEE e com a redução brutal das cotas de pesca, a frota das nossas pescas, vai sobrevivendo como pode, inclusive com as medidas cautelares que visam proteger a reprodução das espécies, vivendo cada vez mais apertados na sua rentabilidade piscatória. Tempos difíceis que espero melhorem, porque é uma atividade profissional de grande valia para Portugal e os seus pescadores…

É esta a minha visão sobre a pesca da sardinha em MATOSINHOS e que entrelaça com visões românticas e outras mais reais e duras de quem por lá labuta todos os dias…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D