Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A construção dos bairros sociais em Portugal, foi sendo feita dentro de um bom espírito de ajuda e inclusão de pessoas que por este o aquele motivo, não conseguiam aceder às mais básicas condições de vida e habitabilidade para si e suas famílias.

Mas as pessoas beneficiadas, algumas delas sempre encararam os seus direitos como ilimitados, sempre às custas da autarquia, não colaborando, nas boas regras de comportamentos e bom uso das suas residências…

Matosinhos tem sido um bom exemplo nesta área social de grande importância. Tem núcleos habitacionais espalhados um pouco por todo o Concelho e a grande maioria de nível de conservação muito satisfatórios…

Mas o que leva a escrever é baseado num exemplo de má cidadania, que se passa no Bairro da Biquinha. Numa recente intervenção de requalificação e melhoria de dois edifícios, mais uma vez se verifica que alguns dos moradores não acompanham este esforço da autarquia. Dentro daquela (má) filosofia de que estes não tem deveres, só direitos, reclamam por tudo e por nada e esquecem-se de quem sustenta estes custos são todos os cidadãos deste país que pagam impostos e cumprem fielmente com as suas obrigações tributárias…

No mencionado Bairro da Biquinha, são inúmeras a intervenções da autarquia matosinhense, para assegurar uma vivência digna a todos aqueles que lá vivem, só que aqueles elementos (que são felizmente uma minoria),que só pedir sabem e depois não cumprem com os seus deveres, deveriam ser responsabilizados de forma mais assertiva de modo a não estarem sempre a prejudicar os outros cidadãos que embora de condição humilde, fazem uma cidadania esforçada e responsável.

Só deste modo se conseguirá manter em níveis de dignidade a vivencia nestes empreendimentos. E assim dar uma boa imagem a todos aqueles que não beneficiam destas ajudas constantes, que pagam a sua casa com muito esforço, sem a conveniente cobertura do Estado e que não gostam de ver que outros a quem lhes dão um bem tão importante a custos quase simbólicos, os desbaratem com uma Cidadania mal-agradecida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:04



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D