Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





"FOI PEDIDO O RESGATE -
Henrique Medina Carreira (VCl)



Narrativa: Se Portugal aprovasse o PECIV não haveria nenhum resgate. Verdade:
Portugal já está ligado à máquina há mais de 1 ano (O BCE todos os dias salva a
banca nacional de ter que fechar as portas dando-lhe liquidez e compra
obrigações Portuguesas que mais ninguém quer - senão já teriamos taxas de juro
nos 20% ou mais). Ora esta situação não se podia continuar a arrastar, como é
óbvio. Portugal tem que fazer o rollover de muitos milhares de milhões em dívida
já daqui a umas semanas só para poder pagar salários! Sócrates sabe
perfeitamente que isso é impossível e que estávamos no fim da corda.  O resto é
calculismo político e teatro. Como sempre fez.

 Sócrates estava a defender Portugal e com ele não
entrava cá o FMI. Verdade: Portugal é que tem de se defender deste
criminoso louco que levou o país para a ruína (há muito antecipada como todos
sabem). A diabolização do FMI é mais uma táctica dos spin doctors de Sócrates. O
FMI fará sempre parte de qualquer resgate, seja o do mecanismo do EFSF (que é o
que está em vigor e foi usado pela Irlanda e pela Grécia), seja o do ESM (que
está ainda em discussão entre os 27 e não se sabe quando, nem se, nem como irá
ser aprovado).

Narrativa: Estava tudo a correr tão bem e Portugal estava fora
de perigo mas vieram estes "irresponsáveis" estragar tudo. Verdade:
Perguntem aos contabilistas do BCE e da Comissão que cá estiveram a ver as
contas quanto é que é o real buraco nas contas do Estado e vão cair para o lado
(a seu tempo isto tudo se saberá). Alguém sinceramente fica surpreendido por
descobrir que as finanças públicas estão todas marteladas e que os papéis que os
socráticos enviam para Bruxelas para mostrar que são bons alunos não têm
credibilidade nenhuma? E acham que lá em Bruxelas são todos parvos e não começam
a desconfiar de tanto óasis em Portugal? Recordo que uma das razões pela qual a
Grécia não contou com muita solidariedade alemã foi por ter martelado as contas
sistematicamente, minando toda a confiança. Acham que a Goldman Sachs só fez
swaps contabilísticos com Atenas? E todos sabemos que o engº relativo é um tipo
rigoroso, estudioso e duma ética e honestidade à prova de bala,
certo?

Narrativa: Os mercados castigaram Portugal devido à crise
política desencadeada pela oposição. Agora, com muita pena do incansável
patriota Sócrates, vem aí o resgate que seria desnecessário. Verdade: É
óbvio que os mercados não gostaram de ver o PEC chumbado (e que não tinha que
ser votado, muito menos agora, mas isso leva-nos a outro ponto), mas o que eles
querem saber é se a oposição vai ou não cumprir as metas acordadas à socapa por
Sócrates em Bruxelas (deliberadamente feito como se fosse uma operação secreta
porque esse aspecto era peça essencial da sua encenação). E já todos cá dentro e
lá fora sabem que o PSD e CDS vão viabilizar as medidas de austeridade e muito
mais. É impressionante como a máquina do governo conseguiu passar a mensagem lá
para fora que a oposição não aceitava mais austeridade. Essa desinformação
deliberada é que prejudica o país lá fora porque cria inquietação artificial
sobre as metas da austeridade. Mesmo assim os mercados não tiveram nenhuma
reacção intempestiva porque o que os preocupa é apenas as metas. Mais nada. O
resto é folclore para consumo interno. E, tal como a queda do governo e o
resgate iminente não foram surpresa para mim, também não o foram para os
mercados, que já contavam com isto há muito (basta ver um gráfico dos CDS sobre
Portugal nos últimos 2 anos, e especialmente nos últimos meses). Porque é que os
media não dizem que a bolsa lisboeta subiu mais de 1% no dia a seguir à queda?
Simples, porque não convém para a narrativa que querem vender ao nosso povo
facilmente manipulável (julgam eles depois de 6 anos a fazê-lo
impunemente).

Bom, há sempre mais pontos da
narrativa para desmascarar mas não sei se isto é útil para alguém ou se é já
óbvio para todos. E como é 5ª feira e estou a ficar irritado só a escrever sobre
este assunto termino por aqui. Se quiserem que eu vá escrevendo mais digam,
porque isto dá muito trabalho
.

Henrique Medina Carreira."
Não é preciso ser um ´"As" em Gestão e Economia, para ver como andam confusos os nossos (des)Governantes! É só ler e reflectir!

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D