Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Por estes dias, todos nós demos já de caras com filas de estudantes de cara pintada diante de colegas mais velhos submetendo-se à praxe académica. Por mim, devo dizê-lo, faz-me um pouco de confusão que haja quem ache graça a qualquer dos papéis, seja o do submisso caloiro seja o do protector veterano pronto a humilhar quem chega à escola superior. Cai já no domínio da patologia tudo quanto é excesso e só vale a pena falar nisso porque, infelizmente, tais situações não são tão raras quanto parece

. Na origem, a praxe até é uma ideia simpática, procurando ajudar a integrar no meio universitário quem chega de novo. Está visto que houve quem a transformasse no direito de quem está a humilhar e a violentar quem chega. Em vez de firmar códigos de amizade, estas praxes dão conta da existência de condutas violentas de grupos organizados que pura e simplesmente espalham o terror entre os seus pares. Um terror e uma humilhação que muitas vezes duram o tempo de uma licenciatura

Por todas estas razões, eu meu entender a aplicação das praxes devia ser repensada. Fazer do acolhimento dos novos alunos uma festa, sim, mas digna e plena de companheirismo servindo de incentivo e de aconselhamento pela positiva e não com práticas ridículas e algumas vezes perigosas aos novos companheiros.

Cito apenas de exemplo as boas vindas dadas pelos alunos do 11º ano aos colegas do 10º ano na escola Gonçalves Zarco em Matosinhos, numa turma que está integrada no projecto Pós Zarco e que deixou todos os assistentes presentes muito sensibilizados pela maneira elegante e de companheirismo que o representante dos alunos do 11º ano deu aos mais novos, incentivando-os a trabalhar muito para que possam ter êxito neste projecto!

As escolas, faculdades, etc. existem para isso mesmo, trabalhar, aprender competências para a vida real e não para brincar, humilhar e muitas vezes traumatizar alunos…

È mostrar inteligência, repensar todas estas tradições que em nada contribuem para elevar o espírito académico dos jovens.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44


1 comentário

De ana a 25.09.2008 às 11:36

As praxes são mesmo de integração. os veteranos que humilham são os mal formados e se tal acontece é porque o curso tem uma má comissão de praxes porque esta tem o dever de proteger os caloiros destas situações. na nossa universidade os todos dizemos que o melhor da vida académica é ser caloiro, sinal que não sofremos qualquer humilhação pelo contrario divertimo-nos criamos amizades que duram ate hoje. por esta razão não se pode generalizar.. praxe é dura, mas é praxe!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D