Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




DE NOVO AS PRAXES ESTÚPIDAS EM FOCO…

por jotaeme, em 29.09.15

1229804_10153775206220296_731342677_n praxes 2.jpg

 

Será que temos de suportar este malfadado cenário de que nas praxes dos caloiros continue e imperara a estupidez, cretinice e insanidade mental? Momentos que deveriam marcantes pela positiva num ciclo de vida e aprendizagem de novas competências que todos nós gostaríamos de passar, e sempre deste modo abrupto, os mentores das praxes teimam em descer cada vez mais aos níveis da baixeza e falta de conteúdo, nestas cerimónias de entrada no Ensino Superior?

1251561160930 praxes 1.jpg

 

Mas será que não aprendem com as trágicas ocorrências que ainda estão bem presentes nas nossas memórias?

Não conseguem ter imaginação e criatividade para assinalar estes momentos, sem que haja humilhação, vergonha e risco da própria vida dos caloiros?

Existem variadas opções que com sentido crítico e imaginação poderiam desenvolver modos e atos de praxe aos caloiros que lhes fariam muito bem e estreitariam os laços de amizade companheirismo no tempo que durar as suas licenciaturas nas variadas áreas. Assim por exemplo, porque não efetuar trabalho de espirito solidário com os mais frágeis da nossa sociedade, pintar   ou pequenas intervenções em casas de pessoas menos favorecidas em termos económicos? Reforçar a vertente artística dos espetáculos que costumam fazer, sejam concertos, sejam bailes, serenatas, mas sem aquele objetivo de saber quem beberá mais bebidas alcoólicas, muitas vezes até ao coma?

E mais uma vez as entidades a quem estes alunos pertencem, prometem só a penalização e depois tudo se esvai sem mais consequências? Os seus responsáveis têm de assumir que os maus exemplos devem ser “premiados” para que não repitam e coloquem as instituições em destaque pelos piores motivos!

Haja coragem, meus senhores, e de uma vez por todas se acabem com estes espetáculos macabros e humilhantes, só para satisfazer traumas destes veteranos do ensino, muitos deles apenas a passearem os livros e estorvarem dentro dos estabelecimentos de Ensino Superior!

E verão que todos aqueles que não participam nestes cerimoniais, por justificado receio, vendo um modo novo de comemoração também irão aderir em maior número, e assim criar um ambiente de união muito mais forte entre todos os estudantes, sem traumas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:18

5020342610_9b41ae8017.jpg

 

Lembram-se do “Poço da Morte”, nas nossas Festas e Feiras populares que por todo o país se realizam ao longo destes anos? Estão a (re) lembrar o artista principal a rodar a rodar, naquele poço feito de tábuas de madeira bem alinhadas, numa sequencia de nos colocar a nós espectadores á beira de um ataque de nervos, passando em contínuo a centímetros do topo do poço e depois em sentido contrario descendente, desfraldando uma pequena bandeira nacional, desacelerando a maquina e baixando até ao estrado inicial?

poço da morte 1.jpg

 

pocomorte11.jpg

 

Era, foi, porque não mais o descortinei nas feiras, o meu espetáculo preferido! E porque nunca presenciei um acidente, “live”, (embora estes artistas não passassem muito tempo sem visitas ao hospital), ficaram sempre a fazer parte do meu imaginário de heróis…caseiros!

poco14.jpg

 

Pois há dias vi por acaso uma reportagem na TVI sobre esta família de artistas e lá estava em destaque o meu herói, (consegui reconhecer aquele rosto desafiador) agora debilitado nos seus 85 anos de idade e em cadeira de rodas devido às “medalhas” que ganhou no desempenho arriscado da arte de bem circular em motos nas paredes verticais do “Poço da Morte”!

 

O seu filho deu continuidade ao negócio das diversões de feira, mas na vertente de carrosséis infantis e agora também na Roda Gigante que esteve montada á dias na Rotunda da Boavista na cidade do Porto e como pude observar na reportagem televisiva, proporciona uma vista fantástica que abrange uma extensa área visível até á orla marítima da Foz…

Fiquei então a saber que Pedrógão Grande é o berço destes artistas e seus equipamentos de diversão que ali permanecem nos intervalos das épocas baixas das festas e romarias…Estamos sempre e aprender!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D