Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




...

por jotaeme, em 30.09.06

Que razões lógicas suportam este tipo de actos e que justificam o quê? Que Deus mandará uma pessoa, um ser humano, amarrar à cintura uma carga de explosivos e ir à procura de vítimas sacrificiais, e quantas mais melhor, e dizer que é uma acto justo?

Não seria mais racional o bombista suicida fazer-se detonar sozinho? Ou será que muitas das vezes esse mesmo candidato a mártir é “obrigado compulsivamente” a praticar esse martírio? E porquê o objectivo de causar o maior número possível de vítimas com a sua louca decisão?

Haverá alguma racionalidade ou justificação? Ou alguém acredita que os bombistas suicidas o fazem na mira do prémio no Paraíso?

E depois ofendem-se com algumas palavras descuidadas de certas personalidades, como motivo de fúria e perseguição ás suas crenças e praticam diariamente estes actos insanos arrastando um número impressionante de pessoas inocentes para uma trágica morte, cujo único erro, é estar à hora errada no local errado

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:06

AS ESQUADRAS E QUARTEIS DA NOSSA VERGONHA…

O relato da acção da população de Lanheses-Viana do Castelo, que perante a possibilidade de ser desactivado o posto da GNR, devido ao estado de degradação do edifício onde estavam as citadas forças policiais, meteram mãos à obra e recuperaram – no com o trabalho voluntário das pessoas das mais diferentes condições e profissões de Lanheses, dando assim uma bofetada de luva branca ao Ministério da Administração Interna, que é responsável pelas condições de habitabilidade e funcionalidade destas instalações policiais.

A mão-de-obra, que esteve a cargo de advogados, professores, pintores e carpinteiros, além de pessoas de diversas outras profissões, foi gratuita, mas nos materiais a autarquia terá dispendido perto de nove mil euros, verba devida a fornecedores e, para a qual, reclama por apoios. "Não temos dinheiro. Herdámos uma dívida de 160 mil euros mas acreditamos que alguém ajudar-nos-á a pagar o montante devido pelo trabalho com vista à manutenção da GNR na freguesia", asseverou o presidente da autarquia de Lanheses o snr Ezequiel Vale.

Manifestando-se "agradado" com as futuras instalações, o comandante do Grupo Territorial da GNR de Viana do Castelo, tenente-coronel Eduardo Branco, indicou que a mudança para o futuro posto deverá ocorrer no próximo mês, após a transferência do mobiliário e restante material. No posto prestam serviço uma dezena de elementos.

E mais, sete dos elementos da GNR, estão ocupados com funções administrativas dentro do posto, perturbando e impedindo um bom e melhor serviço no exterior que é onde deviam estar nas suas acções de vigilância e assegurando a ordem pública de pessoas e bens!

Pergunto eu na minha ingenuidade: Então não seria uma boa opção para funcionários da Administração Pública que estejam nos ditos supranumerários, assegurarem estes mesmos serviços de índole puramente administrativa (depois de formados e ajustados ao tipo de trabalho) e deixando livres os agentes para as verdadeiras funções para que foram recrutados!

Pergunto ainda, como é possível, os sucessivos governos terem deixado chegar a este ponto de degradação muitas das esquadras e postos das nossas forças de segurança, já não falando de outros equipamentos que impedem um bom desempenho aos agentes (armamento e condições de logística obsoletos?)

As pessoas de Lanheses mostraram como se devia fazer, e merecem o nosso aplauso, mas apenas como atitude reivindicativa e para alertar as nossas autoridades que têm a responsabilidade para executar estas acções e assegurar o mínimo de qualidade e dignidade ao desempenho destas tão importantes funções.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59

CRISTIANISMO- ISLAMISMO- INTOLERÂNCIA E FUNDAMENTALISMO…
 
 
 
Na sua " lição ", o Papa citou um diálogo entre o imperador Bizantino Manuel II e um Persa, em 1391, sobre o Cristianismo e o Islão. Nesta conversa, o imperador refere-se à " Jihad " – Guerra Santa -e coloca ao seu interlocutor uma pergunta sobre a relação entre a religião e a violência:
" Mostra-me aquilo que Maomé trouxe de novo e encontrarás somente coisas malvadas e desumanas como o seu propósito de expandir pelo meio da espada a fé que professava ". Com esta citação, Bento XVI faz suas as conclusões do imperador Bizantino, ou seja, a difusão da fé mediante a violência é algo irracional. Disse o Papa: " Não actuar segundo a razão é contrário à natureza de Deus e da alma ".·
Tratou-se de uma longa intervenção, académica, sobre Teologia, na qual Bento XVI expôs o seu pensamento sobre a forma como as diferentes religiões se colocam perante a questão da " Razão ". Não foi a primeira vez que o Papa exprime o seu pensamento sobre a violência Islâmica praticada em nome de Deus. Na primeira reunião com o corpo diplomático representado no Vaticano, depois do concílio, Bento XVI afirmou que " todos os actos de violência em nome de Deus são inaceitáveis para a igreja de Roma ". Nessa altura, ninguém reagiu. Não se ouviram protestos. Agora, temos o mundo muçulmano indignado, queimando as fotografias do papa e exigindo um pedido de desculpas ao Vaticano como o fizeram há meses, a propósito da crise das caricaturas.Há lições a tirar. O Ocidente não pode ceder à chantagem e ao medo. Não podemos ter medo de falar sobre o Islão e sobre Maomé. Nós, Ocidentais não podemos estar reféns nem dos extremistas muçulmanos nem dos muçulmanos moderados que em momentos como este pensam exactamente o mesmo dos " Jihadistas ".·
Se não podemos citar palavras de há 600 anos com o medo de ofender os muçulmanos, o que é que podemos fazer? Resignamo-nos a perder a nossa liberdade e condenamo-nos ao obscurantismo? Só resta dizer que o imperador Bizantino Manuel Segundo está carregado de razão e que os seus diálogos permanecem actuais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:54


PENSAMENTOS...

por jotaeme, em 16.09.06
PENSAMENTOS…
 
“Qualquer um pode zangar-se- isso é fácil! Mas zangar-se com a pessoa certa, na justa medida, no momento certo, pela razão certa e de maneira certa isso não é fácil.”
Autoria: ARISTÓTELES, Énica a Nicómaco
 
Digam lá se este pensamento não nos faz pensar de outra maneira em situações que concerteza nos aconteceram nas mais variadas situações da nossa vida!
E em muitas dessas ocasiões não conseguimos lidar com as emoções e ímpetos que nos impelem, para indevidas resoluções desses mesmos eventos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D